A busca por um adotante – O relato de Gegê

A busca por um adotante – O relato de Gegê

junho 3, 2019 2 Por biacalais

Uma jornada para achar um lar. Gegê parecia ter escolhido um abrigo quando começou a entrar em um condomínio de Mogi das Cruzes pelo vão do portão no início de 2018. Entrava de fininho e encontrava cuidados de algumas moradoras. Não era ali que Gegê encontraria seu lar, mas sim a pessoa que faria de tudo para a ajudar.  

Camilla Cardoso tentou cuidar de Gegê no próprio condomínio. Ela parecia estar em boas condições de saúde, mas tinha fome e estava magra. Camilla a alimentava, mas não podia levar para casa. Gegê é uma cahorrinha de porte médio para grande, além de agitada. Fazer de um apartamento pequeno sua nova casa se tornava inviável.

Gegê quando foi resgatada, início de 2018. Crédito: Camilla Cardoso


A moradora ajudava como podia, mas o condomínio não era o lugar destinado para Gegê. Outros residentes estavam incomodados com a situação, e decidiram a amarrar com uma gravata, para que não circulasse mais pelo ambiente. Foi assim que sua primeira estadia terminou.

Seu próximo destino foi a casa da mãe de Camilla e as primeiras consultas no veterinário. O hemograma constatou doença do carrapato, e uma observação imprecisa desconfiou de uma gravidez. Para o carrapato, entraram os medicamentos, mas para a gravidez sua protetora achou melhor buscar uma segunda opinião. No segundo veterinário, foi descoberto que Gegê estava com piometra (infecção uterina) grave e precisaria de uma cirurgia.

Cinco dias depois estava operada e de volta a sua casa temporária. Ficou cerca de seis meses na casa da mãe de Camilla, e nesse meio tempo fez castração e teve todas as vacinas atualizadas. A procura por um lar foi ativa em todo esse tempo, pois a casa em que estava ainda não tinha toda a estrutura e atenção que um cachorro com seu porte e atenção necessita.

Gegê tem uma personalidade forte. Sua felicidade transborda de seu corpo e resulta em agitação. Gosta de amizades, mas não se dá muito bem com felinos. E além de suas características internas, Camilla ressalta que seu exterior ainda representa um dos perfis de cachorro menos procurados pelas pessoas. Cachorros mais velhos, maiores e da cor preta são os que mais demoram para encontrar um adotante.

Crédito: Gabrielle Osaki – Doce Magia Fotografia


Preconceito que fez a jornada seguir pelo caminho mais longo e passar por mais estadias. Após os seis meses na casa em que estava, foi para um hotel, onde ficou por mais três meses. Sua hospedagem custava 300 reais por mês, mais o gasto da alimentação. Um pouco mais caro do que a terceira moradia. Após o hotel, Gegê foi para um lar temporário pago, que custava 200 reais por mês mais alimentação. Ficou mais três meses nesse lar, até que voltou para o hotel em Abril de 2019.

Idas e vindas que estavam próximas de acabar. Fim que Camilla nem imaginava uns meses antes. Já havia divulgado e tentado adotantes por mais de um ano. Gegê até chegou a ser adotada, em Setembro de 2018, mas foi devolvida por ter brigado com o outro cachorro da casa.

“É sempre triste para o animal uma devolução, e para quem está com ele também. Criamos expectativas, que acabam sendo frustradas. Mas passa, e voltamos a divulgar e procurar um lar”, relata a protetora. Voltou a ativa, e dessa vez com ajuda. Luana Arias, amiga e defensora de vários animais, decidiu trabalhar na busca junto com ela.

“Eu consegui um ensaio fotográfico para a Gegê, e com essas fotos nós começamos a divulgar. Teve até bastante comentário nas redes sociais, mas nenhum interessado efetivo”, revela Luana. A sessão de fotos também foi resultado de uma ajuda. Por indicação de sua amiga Mylena, o contato com a fotógrafa Gabrielle Osaki foi possível. A profissional, acostumada a fotografar pessoas, dessa vez se deparou com uma modelo de quatro patas. Colaboração rica, mas ainda faltava algo.


Até que o advento da internet entrou de cabeça na jogada. A OLX, site conhecido majoritariamente por vendas e trocas, foi usado para divulgação da adoção de Gegê.  Nada de venda ou troca, apenas a procura por uma família. Luana pagou um plano do site, para conseguir mais visualizações, e com a junção das fotos e da visibilidade, conseguiu um adotante em uma semana.

Avaliação do interessado, das condições que possuía para realizar a adoção…e bingo. Tudo se encaixava. Gegê voltou para o hotel dia 2 de Abril, mas até o fim do mês estaria em uma nova casa, essa, com a intenção de ser definitiva.


Crédito: Gabrielle Osaki – Doce Magia Fotografia

Já está na casa nova. Maycon e Jéssica são seus novos “pais”. Desde o primeiro instante se disponibilizaram a adaptá-la a família e a suprir suas necessidades. “Foi bem mais fácil, feliz e agradável do que eu imaginava”, revela Camilla. Gegê se encaixou como quem é comandado pelo destino.

Não se dá bem com felinos, é verdade, mas é agora a maior companheira da criança da casa. É brincalhona e agitada, mas sua energia viaja pelo ambiente e invade o coração de seus novos donos.

Camilla disse que conseguir uma casa para Gegê seria um mix de emoções: “Vou chorar horrores quando a levar, pois da outra vez foi assim. Mas vou estar muito feliz por ela, e sentir a minha missão concluída”.

Mais do que concluída, a missão foi um sucesso.